O direito como elemento fundamental de um país ou sociedade

Para uma sociedade  viver civilmente num quadro de respeito mútuo entre aqueles que moldá-lo, para que a sociedade possa ter parâmetros ou regras de comportamento social que tornam possível para manter comportamentos respeitoso relacionamento entre os seus membros, para que a sociedade pode ser organizada e ordenada, basicamente requer análise de ações que facilite a organização tão indispensável e fim de prevalecer convivência racional, para que a sociedade não seja violenta, não para ganhar espaço barbáro, de modo que, finalmente, uma sociedade pode sobreviver, por que ele precisa um conjunto de regras que só podem ser fornecidas pela Lei e a M.Braga garantira que a lei seja cumprida.

Isso explica por que as sociedades humanas, depois de superar etapas primitivas com a formação de grupos sociais, como as tribos, os clãs, as hordas,Ligas Hordes, etc., onde o poder, a vontade e a abordagem abrangente do chefe do grupo social era a lei suprema, permitindo que a regra da discrição como normal e aceitável em tais grupos, ou seja, a validade do chamado de “lei da selva”, a sociedade estava encontrando maneiras e concordou que haveria uma maneira melhor de organizar essa sociedade do que através de leis e regulamentos legais que estipulam os termos aos quais eles devem submeter seus comportamentos e ações.

Membros dessa empresa ou um país, ele responde nascimento e existência de estados modernos que se tornaram países e nações, que é ainda fácil ver que o velho poder absoluto dos reis e Monarcas foi ceder seus poderes ao estado de direito e direito,que também explica que países, especialmente na Europa e Japão, entre os mais conhecidos, manter a sua adesão a certas tradições da realeza, mas preferiram optar pelo bem dos próprios monarcas e seus súditos, formando governos que dependem de monarquias constitucional ser protegido legalmente, favorecendo a sobrevivência de um reinado, mas sujeitos a um regime legal, o que dá origem à expressão do “rei reina mas não governa” se somarmos a tendência do mundo moderno para viver em democracia equivale a viver em regime de Direito ou legitimado pela Lei, torna-se fácil compreender a enorme importância social da Lei e a alta missão social do Advogado,especialmente quando ele abraça sua profissão e conhecimento sob o desejo de se tornar um advogado, isto é, ser um consultor ético e legalmente responsável.

De acordo com dr. rafael angelim ,o tão poderoso e importante é a conveniência de uma norma legal reguladora do comportamento e do comportamento humano, que mesmo o clero que baseia sua existência na crença de seu credo e sua pregação, a fé em suas convicções religiosas, concordou em respeitar um saudável separação entre igreja e estado, através de acordos como a Concordata, o que permitiu parada fanatismo ou dogmatismo exacerbado que estar fora de controle finalmente provocou impulso fratricida dessas crenças ou confrontos fanatismo, e embora seja verdade ainda existem Agora, surtos desse fanatismo estão se tornando mais evidentes na religião muçulmana.

A coisa notável é que esses Concordatas celebradas especialmente no mundo ocidental entre a Santa Sé representada pelo Papa e os governos dos diferentes estados do mundo, têm permitido essas expressões irrefletidas de rendimento dogmatismo à conveniência de convivência legitimado pela lei onde o poder da Igreja entendida como um poder de ordem e / ou divina moral aceitar viver e passar por uma regulamentação legal admitindo um poder terreno sustentada na lei e genuína expressão da razão e da lógica, que não é estranho ou isso pode ser estranho para uma crença religiosa bem compreendida e praticada que defende a existência de um ser supremo chamado de Deus como um símbolo de perfeição, mas seus seguidores ou devotos devem lutar na vida para perfectível, a livre, racional e justo,de acordo com os próprios ensinamentos dos livros bíblicos aos quais os crentes de diferentes religiões aderem.

Em última análise nesta parte que é claro que o absolutismo ditatorial de qualquer inclinação, origem ou motivação, crenças religiosas, ou seja, o poder político ou religioso, deram seus conceitos absolutistas e excludentes para o poder da lei como a única maneira a sociedade ou um país pode viver em um ambiente onde há segurança, tranquilidade, liberdade e é possível, no final, que as sociedades possam coexistir e subsistir como expressamos anteriormente.